Skip to main content

Aprenda mais sobre o que é neurodiversidade

Aprenda mais sobre o que é neurodiversidade

A socióloga Judy Singer é uma pessoa com autismo e a primeira pessoa a utilizar o termo “neurodiversidade”. Você sabe o que é neurodiversidade? Ser uma pessoa atípica ou neurodivergente não é uma doença, mas sim uma diferença humana em que o cérebro processa de forma diferente os estímulos que recebe, por exemplo, a chegada da luz e do som. Já passou da hora de compreendermos, respeitarmos e nos portarmos de acordo com as individualidades de cada um não é mesmo? Por isso, separamos para vocês o artigo escrito pelo professor Francisco Ortega, adjunto do Instituto de Medicina Social, UERJ.

“ O termo neurodiversidade foi cunhado pela socióloga australiana e portadora da síndrome de Asperger Judy Singer, em 1999, em um texto com o sugestivo título de Por que você não pode ser normal uma vez na sua vida? De um “problema sem nome” para a emergência de uma nova categoria de diferença (Singer 1999). Mas o que é a neurodiversidade, quem são os indivíduos que se referem a esse termo como critério de identificação? Como lemos no início, “neurodiversity” — “neurodiversidade” — em Wikipedia e nas dúzias de sites dedicados ao movimento, é um termo que tenta salientar que uma “conexão neurológica” (neurological wiring) atípica (ou neurodivergente) não é uma doença a ser tratada e, se for possível, curada. Trata-se antes de uma diferença humana que deve ser respeitada como outras diferenças (sexuais, raciais, entre outras). Os indivíduos autodenominados “neurodiversos” consideram-se “neurologicamente diferentes”, ou “neuroatípicos”. Pessoas diagnosticadas com autismo, e mais especificamente portadores de formas mais brandas do transtorno — os chamados autistas de “alto funcionamento” — freqüentemente diagnosticados com a síndrome de Asperger, são a força motriz por trás do movimento. Para eles, o autismo não é uma doença, mas uma parte constitutiva do que eles são. Procurar uma cura implica assumir que o autismo é uma doença, não uma “nova categoria de diferença humana”, usando a expressão de Singer (1999:63).” ( ORTEGA, Francisco. 2008. “O sujeito cerebral e o movimento da neurodiversidade”. Mana, v. 14, n. 2, pp. 477-509)

Confira o artigo na íntegra clicando aqui

REFERÊNCIAS:
ORTEGA, Francisco. 2008. “O sujeito cerebral e o movimento da neurodiversidade”. Mana, v. 14, n. 2, pp. 477-509

Clube Tum Tum
Publicado em 09/06/2022 às 02:21

Como Brincar?

Seu filho(a) tem um carrinho de brinquedo em casa? Então pegue o carrinho favorito e bora pro chão! Brincar com crianças com autismo não é uma tarefa fácil, mas nesse vídeo vamos te mostrar como é possível fazer diversas variações, chamar a atenção do seu filho e ensinar diversas habilidades com um brinquedo simples! Vem com a gente!

Veja mais vídeos

Curadoria

Você sabia que por trás de cada brinquedo que escolhemos existe uma equipe pensando sobre como cada item irá impactar no desenvolvimento do seu filho?

Últimos Posts

Aprenda mais sobre o que é neurodiversidade
09 jun
Você sabe como as crianças pequenas aprendem?
13 mar
Aprenda o que é a atenção conjunta
13 mar

Frete Grátis

Para compras acima de R$ 150

Atendimento Rápido

Instagram e Whatsapp

Pagamento 100% Seguro

Aceitamos PIX e Cartões